LOG#1525 – Review

Uma ficção científica que se passa num futuro distante, onde a humanidade já se habituou com a colonização espacial e mineração de planetas e nosso maior inimigo é a existência do horizonte, não nos permitindo assim, definir limites a nossas ambições. Uma nave capaz de cruzar o espaço carregando nutrientes para nossa existência e um tripulante disposto a fazer isso (de preferência, dentro do prazo para ganhar aquele bônus salarial descrito no contrato).

É neste universo que me encontrei, quando recebi de presente da Editora Chiado, o Livro LOG#1525, do autor B. Demetrius. Um detalhe que quase esqueci (mentira) de mencionar, estamos falando de uma obra brasileira, 100% brasileira.

 

O quão empolgado fiquei de começar a ler que não percebi as primeiras “referências” que Demetrius, sutilmente, colocou. Comentários sobre desenhos animados, jogos de vídeo game e o bom e velho rock n roll são algumas das coisas citadas pelo nosso protagonista, o Major, como “do século XX ou XXI”. Sua locução é um registro de bordo neural, onde seus pensamentos e falas são armazenados como diário, então temos apenas ele em nossa leitura, reclamando de sua vida, xingando seus contratantes, lembrando seus anos de glória e conversando com o BORIS, um implante cibernético que o auxilia na comunicação com a nave, gerenciamento de dados e ouvinte fiel (contra a sua vontade).

 

Tudo isso poderia ser uma terça feira normal em algum lugar do percurso que estavam realizando, mas não seria uma aventura literária se não tivesse dado alguma merda. É claro que tinha que dar merda!

De repente, o Major se encontra acordado. Sua câmara de hiper sono / cápsula de extração e sobrevivência estava aberta num planeta desconhecido.

No intervalo entre dormir dentro de um cruzador e acordar num cubo de gelo escuro, BORIS perdeu contato com o sistema operacional da nave, o PAI, e o Major sabe o mesmo tanto que nós, seus leitores. Porra nenhuma…

Sua aventura pela sobrevivência; por descobrir o que aconteceu; em encontrar o restante da tripulação e poder voltar pra casa faz deste, um dos melhores livros do gênero que já li. Envolvendo mistérios, Survivor Horror, Sci-fi e muita, muita ração militar.

O conto não têm nenhuma encheção de linguiça, nenhum capitulo chato, nenhum flashback desnecessário. É uma escrita mais crua, mas mesmo assim bem desenvolvida. O planeta polar que o Major se encontra também não têm muita coisa para descrever, a força e a distância da estrela que orbita torna o cenário sempre escuro e as criaturas que habitam ali… bom, elas eu deixo para que você descubra sozinho, quando ler LOG#1525.

Resultado de imagem para LOG#1525
UMA EDIÇÃO DE RESPEITO. Exemplar do livro com artes conceituais do planeta, mapa da jornada do Major, marca texto da caneta de plasma e um esboço do Cão.

A aventura não é linear. O Major por diversas vezes se encontra entre voltar para onde é seguro ou avançar ao desconhecido, em busca de respostas. Isso torna a jornada mais envolvente e as escolhas feitas, fazem a quem lê, acompanhar um destino incerto e um final cheio de surpresas.

 

O mínimo que posso dar para essa obra é 5/5 Mother Fucker e aproveitar a oportunidade para incentivar a leitura de obras nacionais. B. Demetrius prova por A + B que temos escritores competentes apresentando material de qualidade, independente do gênero.

Jonathan

1º Editor do PodGeekCast, ouço rap, leio Naruto, Dmc foi um ótimo game, Constantine não deveria ter sido cancelada, e tenho 5 reais para comprar alimento. Sim, eu sou o Batman.