As Manias e Costumes de Nossos Escritores

Hoje, dia 23 de Abril, comemora-se mundialmente o dia do Livro e do Direito do Autor e, para usar essa data como gancho, vamos trazer as manias e rituais para inspirações de 5 autores no mundo Nerd/Geek.

 

Indo por ordem de nascimento, Agatha Christie (1890 – 1976), autora de romances sobre assassinatos misteriosos, como o Assassinato do Expresso do Oriente (que recentemente recebeu um remake para os cinemas e com grandes nomes do cinema Nerd/Geek, logo falaremos mais sobre ela e seus livros), escrevia dentro da banheira, a água morna e os sais para banhos ajudavam a trazer uma trama em sua mente. Inclusive, dificilmente o conto começava a ser escrito pelo início, Agatha gostava de escrever a cena do assassinato ou a resolução do crime logo de cara, depois construía os personagens e suas introduções, como uma engenharia reversa. Agatha adorava quartos de hotéis e muitas de suas obras foram geradas em ambientes desprovidos de escrivaninha. Por isso (na cabeça dela) a banheira era o melhor lugar para se criar suas obras.

Resultado de imagem para agatha christie

Se eu perguntar à você, seus 10 melhores filmes de todos os tempos, com toda a certeza terá, ao menos, um filme  adaptado de Stephen King (1947 -). Autor de Carrie, O Iluminado, Espera de um Milagre, Um Sonho de Liberdade, Janela Secreta… são tantos que não devemos dar continuidade. Mas, com toda a certeza, essa nação será a última vez que ele será mencionado aqui. King, possui uma rotina constante enquanto escreve um livro. Ele acorda cedo e caminha de 3 a 5 quilômetros, todos os dias e sem a exceção dos fins de semana ou feriados. Ao voltar, passa o resto da manhã escrevendo, uma meta foi estipulada e 2.000 palavras são escritas diariamente por ele.

Resultado de imagem para stephen king

Um Marvete de carteirinha, daqueles que escreve cartas para a editora ao 16 anos de idade, esse é George R. R. Martin (1948 – ). O criador de Game of Thrones têm um acervo tão grande de gibis e livros, que precisou comprar a casa vizinha para montar um grande “Templo da Leitura”, o local chega até ter vitrais nas janelas, com os emblemas das 5 grandes casas de Westeros, em momentos de ressaca criativa, ele simplesmente entra lá e lê suas historias em quadrinhos, como Homem de Ferro e Quarteto Fantástico por horas a fio. GoT, a sua maior obra até então, foi criada na sua infância, quando ele criava tartarugas, “Eu tinha um castelo inteiro de tartarugas, e como era um castelo, decidi que eram todas cavaleiros e reis. Aí criei histórias sobre como elas se matavam e se traíam e lutavam pelo reino.”

Resultado de imagem para george rr martin

Impossível não viajar espaço afora enquanto você escuta Pink Floyd. A banda de Rock Progressivo têm letras lúdicas e fantasiosas, tons quase psicodélicos e efeitos práticos que são de arrepiar. E para a sua inspiração, Douglas Adams (1952 – 2001) ouvia incansavelmente sucessos como Shine On You Crazy Diamond, do álbum Wish You Were Here. The Division Bell foi sugestão do próprio Adams ao seu amigo, David Gilmour. O nome, claro, foi adotado com louvores.

Resultado de imagem para douglas adams

O Código da Vinci, Anjos e Demônios e Inferno com certeza não foram escritos sem um certo cansaço físico. Dan Brown (1964 – ) Acorda às 4h da madruga para fazer suas ginásticas e alongamentos. A partir das 5h ele já se encontra sobre o teclado e de hora em hora faz uma pausa para, novamente, se exercitar. “Os exercício me ajudam a manter o sangue e as ideias em constante movimento”, afirma o autor.

Resultado de imagem para dan brown

 

E aí, faltou algum escritor de sua preferência?

Então não espere o próximo dia 23 de Abril para ver mais uma matéria como essa, responda nos comentários ou nos contate por e-mail ou pelas redes sociais. Estamos te esperando.

 

contato@colunageek.com.br

www.facebook.com/ColunaGeek

twitter.com/ColunaGeek

www.instagram.com/colunageek

Rafael Peregrino

Musica, filmes e livros me definem. Um violão, um café, um papel e uma caneta me descrevem. Mas quem eu amo pode sempre dizer mais de mim Do que eu mesmo