Marechal Erwin Rommel

“Hitler acusa-me de alta traição. Poderei suicidar me com veneno… Deram-me, apenas dez minutos…”

Mais tarde, após apertar as mãos de seu filho Manfred, o Marechal Erwin Rommel foi ao encontro de seu destino. Dois Generais o acompanhavam. Pouco depois, Rommel estava morto. Era o dia 14 de outubro de 1944.

Velório do Marechal Rommel

Erwin Rommel nasceu em Heidenhein (Wurtemberg), em 1891. Seguiu a carreira das armas e participou da Primeira Guerra Mundial no posto de Tenente. Ferido no bosque das Argonnes, foi hospitalizado. Restabelecido, foi mandado para a frente austro italiana, onde permaneceu até o fim da guerra. Ao firmar-se o armistício, reintegrou-se à vida civil, desempenhando diversas atividades.

Depois de assinado o Tratado de Versalhes, incorporou se novamente às Forças Armadas de seu país. Foi mandado para a universidade de Tubingen e mais tarde para Munique. Ali conheceu Hitler e imediatamente compartilhou suas posições políticas, convertendo-se em um dos seus mais fiéis aliados. Com a explosão da Segunda Guerra Mundial, permitiu a Rommel demonstrar todo seu potencial e suas magníficas qualidades que o caracterizaram como comandante e estrategista. Seu nome se salientou na campanha contra a França e posteriormente na África, onde comandou a célebre Afrika Korps. Depois da derrota sofrida em El Alamein, foi transferido para a Itália e depois à França, onde foi encarregado da defesa da Muralha do Atlântico. Com a invasão da Europa pelos aliados, foi ferido por uma metralhadora inimiga. Enquanto se restabelecia, agravou-se o antagonismo que surgirá lentamente entre Hitler e ele. Realmente, Rommel compartilhava da posição de muitos militares alemães, no sentido de encontrar uma solução para o conflito. E esta solução só poderia ser o armistício. Porém, Hitler não partilhava daquele ideal e o destino de um dos maiores Marechais da Segunda Guerra foi selado por definitivo.

Hitler e Rommel

Em 14 de outubro de 1944, em sua residência, foi procurado pelos Generais Burgdorf e Maisel. Pouco depois, após se despedir dos seus familiares, seguiu com eles em um automóvel. Esta foi a última viagem do Marechal Erwin Rommel. Ninguém voltaria a vê-lo com vida.

Rommel teve um velório digno, por se tratar de um General respeitado por todos, o Führer fez questão de tudo parecer um suicídio sem interferência do governo Nazista

 

Gostou dessa postagem? Envie um feedback para o Coluna Geek. Grande abraço e até a próxima.

contato@colunageek.com.br

www.facebook.com/ColunaGeek

twitter.com/ColunaGeek

www.instagram.com/colunageek

Biro

Um autodidata apaixonado por Leonardo da Vinci, Boeing 737, Segunda guerra mundial, Carl Sagan e principalmente pela vida.

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.