O disco de ouro da Voyager

Já ouviu falar em Carl Sagan? Não? Sugiro então que assista a série Cosmos (1980) e também pesquise sobre este brilhante astrônomo, porque ele tem uma grande parcela de culpa por nossos pais, irmãos e até nós mesmos gostarmos de ciência.

Lançada ao espaço em 1977, as missões Voyager 1 e Voyager 2, tinham como objetivo principal estudar os planetas Júpiter e Saturno, assim também como suas luas principais. Logo após o estudo desses planetas, ele teve o objetivo estendido para explorar Urano e Neturno. Porem não ficou por ai, existiu mais uma extensão na missão, mas dessa vez era um objetivo sem fim. Em 2004 a Voyager 1 foi o primeiro objeto a sair da heliosfera, ou seja, o primeiro objeto construído pelo homem que chegou até a fronteira final do sistema solar.

A NASA não é uma agencia espacial qualquer, é claro que ela sabia e havia programado tudo isso no programa Voyager. As missões não ganharam extensões de uma hora para outra. Por isso, entrou em ação a mente brilhante de Carl Sagan.

Porque Sagan é tão importante na ciência geral e na astronomia ? É uma resposta simples. Porque ele tinha o dom da palavra alem de ser cientista, astrofísico, astrônomo e escritor. Normalmente os grandes cientistas não são bons em falar em público, ou gravar um programa de TV. Mas isso não era problema para Carl Sagan.

Onde Sagan entra no programa Voyager ?

Sagan desenvolveu o Golden Record, um disco de cobre banhado a ouro que compila diversos sons que existem na Terra. Um exemplo do que existe no Golden Record está listado abaixo.

  • Saudações em 55 linguas
  • Sons diversos (Vulcão, trovão, vento, chuva, sapo, grilo, passaros, elefante, baleia, hiena, cão doméstico, cão selvagem, chimpanzé, lançamento do Saturn V, trem, sinais vitais, coração, pulso, passos, trator, ovelhas, cavalo e vários outros).
  • Música (Canções folclóricas de diversas partes do mundo, Bach, Mozart, Beethoven, Chuck Berry, Beatles e outras músicas diversas)
  • Mensagens do então presidente americano Jimmy Carter e do Secretário das Nações Unidas, Kurt Waldheim.

Uma curiosidade que vale ser lembrada, é que uma amostra de isótopo de urânio-238 foi galvanizado na capa do disco. O urânio-238 tem meia vida de pelo menos 4,5 bilhões de anos. Quem achar a Voyager e seu disco, conseguirá identificar a idade do objeto.

Ouça aqui os sons gravados no disco.

Gostou dessa postagem? Envie um feedback para o Coluna Geek. Grande abraço e até a próxima.

contato@colunageek.com.br

www.facebook.com/ColunaGeek

twitter.com/ColunaGeek

www.instagram.com/colunageek

 

Biro

Um autodidata apaixonado por Leonardo da Vinci, Boeing 737, Segunda guerra mundial, Carl Sagan e principalmente pela vida.